©  2019 Clínica IN RE: 9350 SP 

Rua Jaceru, 384, cj. 1806, São Paulo - SP CEP 04705-000

Tel: 011-4117-3588  / Whatsapp: 011-93802-0500

  • WhatsApp_Logo_6
  • Facebook ícone social
  • Instagram
  • YouTube ícone social
  • LinkedIn ícone social
Buscar
  • Clinica IN

O seu cocô flutua ou afunda? (Isso importa?)

Não há por que ter vergonha de tocar nesse assunto. Todo mundo faz: o rico, o pobre, o feio, o bonito, o legal, o chato... é unanimidade total!


Como os seus dejetos se comportam na privada, podem indicar diversos sinais de como anda a sua saúde e seu status nutricional. Essa matéria publicada no The Alternative Daily traz dicas interessantes das mensagens subliminares que podem ser decifradas a partir do conteúdo do seu banheiro.


MÁ DIGESTÃO DE GORDURAS


Uma conclusão comum dos profissionais de saúde é que cocô que flutua é um sinal de má digestão. Quando as fezes flutuantes grudam nas paredes do vaso sanitário e é difícil de dar a descarga, ou um brilho oleoso aparece na superfície da água, as gorduras da dieta provavelmente não são digeridas.

Então, o que pode ser feito em relação a fezes flutuantes?! Converse com o profissional de saúde de sua confiança sobre a saúde do seu fígado, vesícula biliar e pâncreas. Todos eles estão envolvidos na produção da bile que é utilizada para digerir gorduras.


POUCA FIBRA

Enquanto muitas fontes parecem indicar que o cocô que afunda é o preferido, outras sugerem que cocôs que flutuam são um sinal de que a dieta contém uma boa quantidade de fibras. Isso ocorre porque aqueles que comem mais fibras, também conhecidos como prebióticos, têm maiores colônias de bactérias no intestino inferior. Isso leva ao cocô que contém mais gases produzidos pelas bactérias. Os gases tornam os resíduos menos densos e fazem com que o cocô flutue.


Independentemente de você estar vendo o cocô afundado ou flutuando no vaso sanitário, certifique-se de que sua dieta contenha muitos vegetais, frutas, nozes e legumes para garantir que uma quantidade adequada de fibra esteja sendo consumida. O objetivo é obter pelo menos 35 gramas por dia.


Se a fibra é uma novidade na sua dieta, comece devagar! Caso contrário, o número de bactérias que se alimentam de todas essas fibras pode aumentar muito rapidamente e causar desconforto digestivo.


DOENÇA CELÍACA

Alguns especialistas acreditam que o cocô flutuante pode ser um sinal de doença celíaca. O glúten deixa o intestino inflamado e incapaz de digerir os alimentos adequadamente. As fezes podem flutuar e ser de cor cinza ou marrom e apresentar um odor desagradável. Uma preocupação particular é se você vê fezes flutuantes, macias e semelhantes à diarreia com frequência ou por um período prolongado. Se for você, considere fazer um teste para doença celíaca, ou melhor ainda, simplesmente decida eliminar o glúten da sua dieta!


PRISÃO DE VENTRE

Por outro lado, afundar o cocô pode ser um sinal de constipação crônica. A constipação pode ocorrer quando uma pessoa não tem motilidade digestiva suficiente (ou seja, os intestinos não estão trabalhando para empurrar os resíduos). Existem muitas causas de constipação, como má alimentação, ansiedade, falta de exercício e não beber água suficiente.


As soluções comuns são beber mais água para ajudar a hidratar o intestino e as fezes, tomar suplementos de magnésio para relaxar o intestino e usar remédios à base de plantas, como suco de aloe vera e pimenta caiena, conhecidos por melhorar a eliminação.


O debate flutuante x afundado realmente importa?


No final, muitos especialistas em saúde não enfatizam a flutuabilidade do cocô (ou a falta dela). Mais importante é a frequência, forma, cor e cheiro. Use a seguinte lista de verificação para determinar se você faz um cocô saudável:


- Eliminar pelo menos uma vez por dia (mas não mais de três vezes).

- Faça cocô macio e com a forma de uma banana, não muito duro nem muito mole.

- A cor deve ser de um marrom médio, sem pedaços visíveis de comida, gordura, sangue ou muco.

- O cheiro deve ser bastante neutro, não excessivamente desagradável.


Fontes:

http://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJM197205042861804

http://www.livescience.com/36689-poop-health-signs-disease-infection.html

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9299672

http://www.nature.com/ajg/journal/v98/n4/abs/ajg2003199a.html

http://europepmc.org/abstract/med/8995945


52 visualizações